Fragmentos da Lei da Guerra de Sunzi

O que é o método da estratégia?

Sunzi disse:

A guerra é de vital importância para a Nação; é o domínio da vida ou da morte, o caminho para a sobrevivência ou a destruição. É necessário avaliá-lo corretamente.

Existem cinco coisas que devemos conhecer para prever o desfecho de uma guerra:

Primeiro, o Caminho (Dao); segundo, o Tempo, terceiro, o Terreno, quarto, a Liderança e quinto, As Regras.

O caminho significa aquilo que faz com que o povo esteja em harmonia com seu governante, seguindo-o onde for, sem temer o perigo, a vida ou a morte.


O Tempo significa o Yin e o Yang, a mudança das estações.

O Terreno significa as distâncias, a facilidade do movimento, os espaços abertos ou fechados, e a possibilidade de sobreviver.

A Liderança deve conter sabedoria, sinceridade, humanismo, coragem e disciplina.

As Regras significam Organização, Hierarquia, e o Aprovisionamento regular.

Estas cinco coisas devem ser conhecidas por cada general. Quem as sabe, vence; quem não sabe, perde.

A planejar, devemos também pensar em sete fatores fundamentais, pesando-os com cuidado:

- Qual governante segue o Caminho?

- Qual o líder mais talentoso?

- Que exército aproveita o Terreno?

- Que Exército tem as melhores regras?

- Quais as tropas mais fortes?

- Qual exército é mais bem treinado?

- Qual exército administra as recompensas e castigos de acordo com as regras?

Estude estes sete fatores fundamentais; assim, se pode saber quem vai vencer e quem vai perder.

O general que seguir meu conselho vencerá, e deve ser o líder. O general que não me ouvir será derrotado, e não deve liderar.

O general sábio deve criar situações que lhe sejam favoráveis. Isso significa tirar partido do campo, do tempo e das vantagens que apareçam.

A Lei da guerra se baseia no engano.

Finja ser incapaz quando puder atacar; finja ser capaz quando não puder.

Longe, pareça estar perto; perto, pareça estar longe.

Use iscas para atrair o inimigo.

Ataque o inimigo quando ele está em desordem; evite-o quando ele está forte; irrite-o fazendo confusão; estimule sua arrogância simulando fraqueza.

Se as tropas inimigas estão em ordem, tente bagunçá-las; se estão unidas, semeie a discórdia; ataque-o quando não está preparado; apareça repentinamente; estes são os meios seguros para a vitória.

Se as avaliações indicam a vitória, é porque foram feitas de modo apropriado, e mostram que suas forças são maiores que do inimigo; se as avaliações indicam a derrota, é porque são desfavoráveis e mostram que suas forças são inferiores a do inimigo. Com bons cálculos, se pode vencer; com poucos, não; quem não os fizer, não tem a mínima chance. Quem faz corretamente as avaliações verá o resultado surgir com clareza.

Sobre Atacar

Como regra geral, é melhor conservar a um inimigo intato que destruí-lo. Destruir um país o leva à ruína, e diminui seu valor.

É melhor capturar todo um exército que destruí-lo; preservar um batalhão inteiro, do que arrasá-lo.

A habilidade suprema não consiste em ganhar cem batalhas; a habilidade suprema consiste em vencer o inimigo sem combater.

Numa guerra, portanto, é fundamental atacar a estratégia do inimigo.

Depois, destrua suas alianças.

Enfim, ataque suas tropas.

Numa guerra, a pior estratégia é assediar uma cidade. [...]

O verdadeiro Mestre da Guerra domina um exército sem lutar; conquistam uma cidade sem cercá-la; derrubam um Estado sem se demorar muito.

A verdadeira Lei da Guerra consiste em conquistar tudo de modo intato, sem esgotar as forças. Esta é a Lei da Estratégia de Ataque.

Por estas razões, a aplicação da Lei da Estratégia de Ataque é a seguinte: quando suas forças são dez vezes mais fortes, cerca o inimigo; quando são cinco, ataca-o; quando duas vezes mais fortes, divide-o; se iguais, arrisque; se são menores, se retire; se são bem inferiores, foge e evite-os; um bando obstinado é sempre presa de um exército maior.

O general é o defensor do seu reino; um Estado forte lhe dá poder; um Estado fraco o põe na defensiva.

Causas de derrota e vitória

Por isso, existem três maneiras pelas quais um governante leva o exército ao desastre:

- Quando ordena que ele avance no momento de se retirar; quando ordena que se retire no momento de avançar; isso se chama “amarrar o exército”.

- Quando ignora assuntos militares, mas interfere neles, perturbando seu desenrolar.

- Quando se intromete na cadeia de comando, ignorando seus problemas e instaurando a incerteza entre os oficiais.

O exército ficará confuso e inseguro, os inimigos iniciarão suas intrigas; isso se chama “um exército confuso dá a vitória ao inimigo”.

Há cinco modos de saber quem será o vencedor:

- Saber quando lutar e quando não lutar.

- Saber discernir quando utilizar muitas ou poucas tropas.

- Saber quem tem tropas superiores e inferiores com igual motivação.

- Saber que se deve estar preparado e atacar o inimigo desprevenido.

- Ter generais capazes que não sejam limitados por burocratas.

Estas são as cinco maneiras de conhecer o futuro vencedor.

Sunzi disse:

Conheça a si mesmo e ao inimigo, e em cem batalhas, você nunca correrá perigo.

Conheça a si mesmo, mas desconheça seu inimigo, e suas chances de ganhar e perder são iguais.

Desconheça a si mesmo e ao inimigo, e você sempre correrá perigo.

(adaptado de André Bueno. A Arte da Guerra. São Paulo: Jardim dos Livros, 2010)

Nenhum comentário:

Postar um comentário