Fragmentos das obras de Zhuge Liang

As condições para se vencer uma guerra

Diz um livro antigo: "Os que desprezam as pessoas cultas não têm meios para conquistar completamente o coração de ninguém. Os que desprezam as pessoas comuns não têm meios para fazer ninguém trabalhar com todo o afinco".

Para as operações militares é importante procurar conquistar o coração dos heróis, criar regras estritas de recompensas e punições, incluir as artes culturais e marciais e combater com técnicas duras e também flexíveis.

Aprecie as amenidades sociais e a música. Familiarize-se com a prosa e a poesia. Ponha a humanidade e a justiça na frente da sagacidade e da bravura.

No silêncio, fique tão quieto quanto um peixe em águas profundas; em ação, seja tão rápido quanto uma lontra. Dissolva as tramas inimigas; divida suas forças. Deslumbre o povo com seu estandarte; alerte as pessoas com pratos e tambores.

Ao recuar, assemelhe-se a uma montanha em movimento; ao avançar, assemelhe-se a uma tempestade de chuva. Ataque e esmague com força destruidora; entre em combate como um tigre.

Pressione e detenha os inimigos; atraia-os para desviá-los.

Confunda-os para capturá-los. Seja humilde, para fazê-los orgulhosos. Seja franco, mas distante; enfraqueça-os, emprestando-lhes força.

Dê segurança aos que estiverem em perigo; acalme os que estiverem com medo. Se as pessoas se opuserem a você, leve suas palavras a sério. Se têm ressentimentos, deixe-as expressarem-nos.

Contenha os fortes, ampare os fracos. Conheça os que têm planos; encubra qualquer calúnia. Quando houver despojos, distribua-os.

Não confie em sua força nem dê pouco valor ao adversário. Não seja convencido por sua competência, nem faça pouco caso dos subordinados.

Não deixe que os favores pessoais interfiram na autoridade. [...]

Agindo assim, pode-se ganhar uma guerra sem matar ninguém.

Os cinco males

Há cinco tipos de males que provocam a decadência das tropas.

O primeiro é a formação de facções que conspiram para o assassinato de homens reputados, criticando e difamando os sensatos e os bons.

O segundo é o luxo nos uniformes, estimulando a inveja.

O terceiro são as absurdas falsidades e confabulações a respeito do sobrenatural.

O quarto é o julgamento baseado em opiniões particulares, que mobiliza grupos por razões pessoais.

O quinto são as alianças secretas com os inimigos, para descobrir onde há vantagem.

Todas as pessoas que assim agem são traiçoeiras e imorais.

Afaste-se delas e não se associe com elas.

Conhecer as pessoas

Nada é mais difícil de entender do que a natureza das pessoas.

Embora o bem e o mal sejam diferentes, muitas vezes eles se parecem há gente que parece honesta, mas rouba; que fingem ser dignos, mas desprezam os outros; valentes por fora, mas covardes por dentro; alguns esforçados, mas desleais. É difícil saber a diferença, mas há meios para isso;

O primeiro é fazer-lhes perguntas sobre o que é certo e errado, para observar suas idéias.

O segundo é esgotar todos os seus argumentos, para ver como reagem.

O terceiro é consultá-las sobre estratégias, para ver se são espertas.

O quarto é anunciar que está havendo encrenca, para ver se são corajosas.

O quinto é embebedá-las, para observar sua natureza.

O sexto é apresentar-lhes a perspectiva de ganhos, para ver se são modestas.

O sétimo é lhes dar uma tarefa com prazo, e ver como se saem, para saber se merecem confiança.

Sobre os generais

Há nove tipos de generais.

Os generais humanitários comandam com virtude, trata todos com a mesma cortesia, sabem quando os soldados estão com frio e com fome e notam quando estão exaustos e magoados.

Os generais conscienciosos não procuram fugir a nenhuma tarefa, não se deixam influenciar pelo lucro e preferem morrer com honra a viver na desonra.

Os generais amáveis não são arrogantes por causa de sua alta posição, não dão excessivo valor a suas vitórias, são sábios, mas sabem ser humildes, são fortes, mas tolerantes.

Os generais espertos têm insondáveis recursos extraordinários, reações e movimentos multifacetados, transformam a desgraça e prosperidade e arrancam a vitória das garras do perigo.

Os generais fiéis dão generosas recompensas para quem avança e aplicam severas penalidades em quem recua, recompensam imediatamente e punem igualmente todos os postos, até mesmo os mais altos.

Os generais de infantaria andam a pé ou a cavalo, com ânimo para enfrentar cem homens e são peritos no uso de armas de curto alcance com espadas e lanças.

Os generais de cavalaria enfrentam as alturas vertiginosas, atravessam os desfiladeiros perigosos, atiram a galope como se estivessem em fuga, ficam na vanguarda quando avançam e na retaguarda quando recuam.

Os generais ferozes com sua coragem fazem os exércitos tremer com sua determinação, fazem pouco de inimigos poderosos, são hesitantes para travar lutas fúteis e corajosos no meio de batalha importantes.

Os grandes generais consideram-se ineficientes quando visitam os sábios, seguem bons conselhos como a uma corrente, são magnânimos e, contudo capazes de firmeza, são simples, mas têm muitas estratégias.

(adaptado de Thomas Cleary, O conhecimento da arte da guerra. São Paulo: Gente, s/d)

Nenhum comentário:

Postar um comentário